Fundação do MI

Em 16 de outubro de 1917, no Colégio Seráfico Internacional, em Roma-Itália, o jovem frei Maximiliano Kolbe, junto com outros seis jovens frades, todos reunidos em um pequeno quarto, fundam a Milícia da Imaculada, com o objetivo de "Conquistar o mundo inteiro para Cristo através da Imaculada", usando de todos os meios lícitos, principalmente dos meios de comunicação.

Em um pedaço de papel, frei Maximiliano escreve os principais pontos do movimento que acabava de fundar: "Milícia da Imaculada. Ela esmagará a tua cabeça (Gênesis 3,15). Sozinha venceste todas as heresias no mundo inteiro". Uma jaculatória, uma medalha e a conversão de toda a humanidade, aliás, sua santificação. Diante de um tempo em que acontecia no mundo uma grande atividade anticatólica, na qual se destacavam os maçons, Frei Maximiliano se dá conta de que era necessária uma renovação espiritual.

O seu objetivo era fazer com que todos os homens se convertessem a Deus, mesmo aqueles não católicos e descrentes, em especial os maçons; e que todos se tornassem santos, sob a proteção e pela mediação da Virgem Imaculada. Logo depois de fundada, foi reconhecida oficialmente pela Igreja. Em 1919, o Papa Bento XV abençoou esse Movimento Mariano. Em 1922 foi aprovada como “associação piedosa” (Pia União).

Em 1926 o Papa Pio XI cumulou-a de várias indulgências. Em 1975 a Santa Sé aprovou os Estatutos da MI ajustados às exigências do Concilio Vaticano II, não alterando, porém, o programa do Movimento, formulado pelo próprio fundador e em 1997 foi aprovada como Associação Pública de Fiéis pelo Papa João Paulo II. Hoje temos a graça de nos reunirmos para celebrar junto com os mílites do mundo inteiro a fundação deste movimento que continua vivo, por meio do apostolado de cada fiel consagrado que reconhece em Maria medianeira de todas as graças o caminho para o projeto salvífico de Cristo!

 

assinatura marcelo